Texto Maior
Texto Maior
Texto Maior
Texto Menor
Texto Menor
Texto Normal
Texto Normal
Contraste
Contraste
Libras
Libras
Vlibras

O conteúdo desse portal pode ser acessível em Libras usando o VLibras

Acesso à informação
Acesso à informação
Icone Notícia

Saúde - Quinta-feira, 07 de Março de 2019

DHS realiza licitação para aquisição de marmitex para pacientes do CAPS

Centro de Atenção Psicossocial de Pompeia oferece três refeições diárias a cerca de 30 pacientes das oficinas terapêuticas


DHS realiza licitação para aquisição de marmitex para pacientes do CAPS

Pacientes do Centro de Atenção Psicossocial de Pompeia são atendidos e acompanhados diariamente por uma equipe de psiquiatras, psicólogos, enfermeiros e assistentes sociais. No CAPS, além de participarem de atividades como oficinas de artesanato e terapias em grupo e individuais, os pacientes também fazem três refeições por dia: café da manhã, almoço e café da tarde. Visando fornecer as refeições prontas para o almoço dos pacientes, o Departamento de Higiene e Saúde (DHS) realizou uma licitação e firmou contrato com empresa do ramo da alimentação que realiza a entrega das refeições no local, diariamente. Por ano, o investimento do governo municipal é de cerca de R$ 60 mil - considerando que são em média 30 marmitas por dia, o que custa em torno de R$ 270,00 por dia, R$ 1350,00 por semana e R$ 5.400,00 por mês.

A prefeita Tina Januário lembra que as refeições para pacientes do CAPS já eram oferecidas na sua gestão como Superintendente do DHS e defende a importância do trabalho realizado pela equipe, garantindo que o benefício das refeições continuará a ser oferecido apesar das críticas dos opositores.

“Já servíamos as refeições para os pacientes do CAPS quando eu era Superintendente do DHS, como forma de ajudar as pessoas que são atendidas e tratadas lá, e vamos continuar oferecendo alimentação para essas pessoas que precisam. Fizemos a licitação neste ano para atender cerca de 30 cidadãos que participam das oficinas de artesanato e outras, todos os dias. Por ficarem durante um longo período sendo atendidos no local, esses pacientes recebem lá também suas refeições. Esse é um trabalho importante de acompanhamento psicológico e psiquiátrico e de reinserção social que nós valorizamos e por isso investimos para que continue a ser bem realizado. É uma pena que algumas pessoas não entendam, não procurem saber ou resolvam denegrir a administração propositalmente, omitindo a informação de que as marmitas licitadas são destinadas a esses pacientes do CAPS. Basta fazer um cálculo simples, para ver que adquirimos cerca de 30 marmitas por dia a um custo baixo, de forma que não há motivo para críticas ou insinuações. Apesar das críticas, vamos continuar a oferecer essas refeições aos pacientes porque a saúde deles e o bem de suas famílias é mais importante para nós”, comentou a prefeita Tina.   

O CAPS tem como objetivos principais realizar o acompanhamento clínico e promover a reinserção social dos indivíduos por meio do acesso ao trabalho, lazer e do fortalecimento dos laços familiares e comunitários. A psicóloga responsável pelo CAPS, Alini Valoto, exaltou o investimento da administração municipal no cuidado com os pacientes do Centro de Atenção Psicossocial.

“Esse investimento da Prefeitura é muito importante, porque permite que os pacientes passem mais tempo aqui no CAPS, sendo acompanhados, sem que precisem se preocupar em ter que se deslocar até suas casas ou pagar para comer fora todos os dias”, comentou Alini.

Uma das atividades a que os pacientes se dedicam no tempo em que passam no CAPS é a confecção de artesanato. Feiras são realizadas todos os anos, sempre no mês de maio, na semana que antecede o dia das mães, e no mês de dezembro, antes do natal. Nessas feiras são colocadas em exposição telas, toalhas de mesa, tapetes de crochê, tecidos, quadros, telhas customizadas, artigos decorativos em geral, dentre outros trabalhos artesanais dos pacientes com preços especiais. Os recursos arrecadados com essa exposição são integralmente reinvestidos nos trabalhos executados no CAPS e revertidos para atividades como passeios e compra de matérias-primas para novas peças artesanais.

Peças em exposição na Feira de Artesanato do CAPS de 2018

“Além disso, temos atividades em grupo toda quarta-feira onde trabalhamos um tema por mês. Nesse mês de fevereiro o tema foi ‘gratidão’. Realizamos passeios à biblioteca, onde os pacientes ouvem histórias e depois discutem as leituras realizadas. Duas vezes por semana também desenvolvemos atividades físicas com eles. É um trabalho bastante completo que tem tido resultados muito positivos”, comentou a psicóloga Alini Valoto.

FacebookTwitterWhatsApp

voltar para a listagem de notícias...